A rotina é atribulada, o trânsito complicado, as preocupações são muitas, a pressão no trabalho é grande, o celular não para de avisar que tem coisa nova pra ver… Em meio a essa situação estressante, os pais de hoje em dia precisam dar um jeitinho para garantir espaço ao acompanhamento da educação dos filhos. O seu real interesse pela educação deles na escola e pelo processo de aprendizagem é fundamental para estreitar sua relação de amor com seus filhos. Isso fortalece o conceito de “família” e promove, de forma significativa, o entendimento sobre a importância dos estudos na vida deles.

Filho, o que você aprendeu hoje na escola?

A pergunta que, à primeira vista, parece tão simples, pode dar conta de um recado bem grande e importante que é criar laços afetivos duradouros com seus filhos. O empenho para que isso ocorra diariamente tem muito valor durante a vida toda, mas é ainda mais necessário do segundo ao quinto ano do Ensino Fundamental.

É nessa fase que a criança mais precisa desse suporte, já que ela está construindo dentro de si toda a afetividade e segurança que levará para o resto dos seus dias, como adolescente e adulto completo, com elevada autoestima e cheia de confiança em si mesma.

Fonte: Google

Quando, ao pegar seu filho na escola ou encontrá-lo já em casa, depois de um exaustivo dia de trabalho, você pergunta o que ele aprendeu hoje, começa uma conversa que vai muito além da resposta em si. A partir dela, você vai saber sobre os pontos altos e baixos do dia, nomes de todos os amiguinhos da criança, se algum fato a chateou, se ela está magoada com alguma atitude de alguém, qual postura o professor assumiu numa determinada situação e muitas ouras coisas.

Compartilhando sentimentos

Ao ouvir atentamente o que a criança conta, olhos nos olhos, mostrando toda sua atenção e interesse, você demonstra o quanto a rotina dela é importante para você. A criança, por sua vez, sente que, apesar de você não estar o dia todo com ela, é amada e fica estimulada a compartilhar coisas novas que aprendeu na escola e também a colocar para fora seus sentimentos, sejam eles bons ou ruins.

Ao falar sobre suas atividades e brincadeiras favoritas, ela se sente querida, amparada e certa de que, se precisar de alguma coisa, você estará pronto para ajudar, orientar sobre caminhos a seguir e sobre as melhores escolhas em cada situação.

Durante esta interação com seu filho, repare se ele está emburrado. Em caso positivo, questione com delicadeza – sem colocá-lo na parede -, o que aconteceu. Aos poucos, peça para ele dizer o que o fez se sentir assim. Às vezes, a criança nem vai responder na hora, mas percebendo que você está aberto ao diálogo, vai te procurar mais tarde e explicar o que se passou. E aí você poderá ajudar.

A relação dele, tanto com a professora, quanto com os coleguinhas, tem um importante peso nesta fase da vida. Conversando sobre o dia a dia na escola, você pode descobrir o que os professores estão falando dele e, principalmente, “como” estão falando. Vai saber, ainda, quem são os amiguinhos e como eles tratam seu filho.

Fonte: Google

Preparando o terreno para a adolescência

Por meio da perguntinha simples, seu filho também ficará mais à vontade e terá um relacionamento mais íntimo com você. Hoje, vocês conversam sobre o cotidiano, mas estão – de fato -, preparando o terreno para que quando eles forem adolescentes, também tenham em você um confidente, um amigo para quem ele pode contar tudo. Essa relação de confiança fará toda a diferença no dia a dia de vocês.

Quanto maior o grau de intimidade e afinidade, mais você vai saber sobre os planos deles, seus sonhos, desejos e expectativas, de forma que, com base nas suas experiências acumuladas, possa ajudá-lo a percorrer com menos dificuldades esta trajetória linda – mas cheia de desafios e obstáculos -, chamada vida.

E você? Está pronto para começar hoje a fortalecer seus laços de amor e confiança com seus filhos? Então pergunte a ele: O que você aprendeu hoje?

Conteúdo produzido por Colégio Tableau Taubaté.